Pular para o conteúdo principal

O 3DO foi revolucionário no mundo dos games




               Voltando em viagem no tempo, o ano era 1993. Na época reinavam a Nintendo e a Sega, e quando muito você via um console mais caro, como o Neo Geo aparecer com seus games poderosos de luta, mas até então os consoles eram em tanto “brinquedos”. Não havia muita interatividade e algo multiplayer, que envolvesse vídeos, música, fotos e uma jogatina mais adulta ou de games mais parecidos com os árcades ou mesmo jogos de computador. Os consoles de 16 bit como Mega Drive e Super Nintendo não davam conta de novos jogos de PC em suas conversões. Já havia um Sega CD, que trazia a nova mídia ao mundo dos games,  mostrando que a capacidade se ampliaria no armazenamento, e as músicas e vídeos viriam para ambientar com mais realidade os games. Eis que surge o REAL, mais conhecido como o 3DO, e  “Dave Needle e RJ Mical são nomeados como co-inventores da Máquina.  A Needle e a Mical trabalharam anteriormente na equipe de design do computador Amiga original e no design do sistema de jogos portáteis Atari Lynx.  A empresa do NTG (New Technologies Group) projetou a maior parte da tecnologia / hardware 3DO”. Mas quem teve papel decisivo no 3DO foi o cara fundador da Eletronic Arts, Trip Hawkins, e assim surge o primeiro verdadeiramente console de 32 Bits, com cara que seria passada para depois o Sega Saturn e Sony Playstation, que converteram muitos jogos com poucas alterações para suas plataformas. Ganhei meu 3DO em 1995, e após o Mega Drive, achei que era um opção, haja vista achar que Super Nintendo não era muito superior nos jogos que o Mega.

               Mas e os jogos de 3DO? Ele trouxe alguns jogos verdadeiramente inovadores graficamente, e outras boas conversões de Arcade, como Super Street Fighter 2 Turbo,  e Samurai Shodown. Também teve o primeiro The Need for Speed, jogo que na época apresentava um realismo nunca visto em games de carro ou corrida, bem como trouxe o Road Rash, que depois seria levado a Playstation e Saturn, sem alterações. Mas isso 2 anos ou mais antes de outros consoles de 32 Bit, então o 3DO era revolucionário e visionário, mostrando algo que nem os PC da época conseguiam reproduzir, pois seria feito em especial para jogos. Mas o que me encantou na época foram os jogos de tiro em vídeo interativo, e um que falou alto foi Mad Dog, que eu havia visto em máquina de Arcade na praia um ano antes de ter meu console. Essa talvez seja uma reclamação, pois muitos games do 3DO eram de vídeo interativo, mas se deve lembrar que isso é da época do Vídeo Cassete, e assim ele começou a situação de vídeo digital muito antes de surgirem DVDs e Blue-Rays.   Também basta lembrar que na época apenas havia os consoles de 16 Bit, bem como jogos limitado ou inferiores aos originais, em outros consoles. Já no 3DO se podia jogar um Mega Race igual ao de computador, um Mad Dog igual ao de árcade, um Alone in the Dark igual ao computador, e assim por diante. Mega e Super Nintendo não podiam ter esses jogos, e no caso do Sega CD, possuíam jogos com menos cores, e ainda com tela reduzida em seu tamanho, o que trazia perda considerável de qualidade e nas TVs antigas, de geralmente 14 polegadas, pequenas, de visibilidade do jogador. Um jogo que nem Killing Time impressionava por trazer vídeos dentro do jogo, em tempo real, junto a ambiente 3D renderizado. E muito jogo do 3DO foi apenas passado ao Saturn e ao Playstation, sem alterações, o que provou que o 3DO tinha qualidade, e que não foi um fracasso, a não ser pelo seu preço alto e por batear apenas tardiamente esse detalhe, com seu modelo Fz 10, o qual foi o que eu tive.  E ainda os jogos de esporte da Eletronic Arts, que eram em 3D, com giros, gráficos diferentes daqueles vistos em 16 Bit, e que sempre fez bons jogos. Também o 3DO tinha a vantagem de se ligar diversos controles um no outro, facilitando o multiplayer, e tinha memória interna, não precisando de memory card. Um jogo bom que não vi em outro lugar e achei uma pintura é Demolition Man, que mistura Doom, Mortal Kombat e jogo de corrida em um só, com imagens reais semelhantes e com atores do filme.

               Um capítulo que se abre é no fim do 3DO, em 1996, de modo que na época ainda se falava do acessório M2, ou do 3DO2, inclusive com uma lista de jogos a ser lançada para esse novo console, que concorreria com o Nintendo 64, e não mais apenas com Sega Saturn ou Playstation, sendo de longe superior, e já com filtros de imagem e polígonos sem serrilhamento ou quebras gráficas, a semelhança do se viu no próprio Nintendo 64, mas em DVD. Sim, o M2 do 3DO seria em DVD, antes mesmo do PS2, sendo mais uma revolução ou inovação. Se os gráficos eram ou não como foi mostrado no vídeo de apresentação nãos e sabe, mas tudo indica que ele seria capaz de fazer algo semelhante, haja vista que era a cara dos gráficos de 3DO. Geralmente o que era vídeo de CG pré-renderizado em um console acabou sendo processado em tempo real em outro de geração seguinte, como ocorreu com o PS2 em relação ao PSX , e com o M2 poderia ser possível em relação ao 3DO. Mas a empresa decidiu que seria complicado continuar no mercado dos games e não acabou levando pra frente o M2, mas era uma história de sucesso, como disse Trip Hawkins, tanto que o M2 era uma realidade já pronta. A qualidade do 3DO gráfica fica ainda superior em alguns games em relação mesmo a Playstation e Saturn, como em Gex, Road Rash,  Space Hulk,  , Shok Wave, Sailor Moon e outros. Também há bons jogos coreanos do 3DO, com a marca LG, então sua biblioteca não era tão ruim, e ainda mais se em comparando com o com um Atari Jaguar, que poderia ser seu concorrente na época. Fato é que o 3DO foi pouco conhecido era sim um console revolucionário, estando a frente do seu tempo.

              

Especificações:
  Processador RISC de 32 bits e 12,5 Mhz (ARM60) feito por máquinas RISC avançadas (aproximadamente equivalente a um 25Mhz 68030)
  Resolução de 640 x 480 pixels em 16,7 milhões de cores
  Dois coprocessadores de vídeo acelerados com os seguintes recursos: ◦  Taxa de clock de 25Mhz.
  Capaz de produzir de 9 a 16 milhões de pixels reais por segundo (36-64 Mpix / seg interpolados), distorcidos, dimensionados, girados e mapeados por texturas.
  Capaz de mapear um bitmap retangular em qualquer polígono arbitrário de 4 pontos.
  Os bitmaps de origem de mapa de texturas podem ser 1,2,4,6,8 ou 16 bits por pixel e são compactados por RLE para uma combinação máxima de alta resolução e pequeno espaço de armazenamento.
  Suporta transparência, translucidez e efeitos de sombreamento de cores.

  Processador de sinal digital (DSP) personalizado de 16 bits com os seguintes recursos: ◦  Projetado especificamente para mixar, manipular e sintetizar som com qualidade de CD.
  Taxa de clock de 25Mhz.
  Arquitetura CISC com pipelines.
  Tamanho de registro de 16 bits.
  17 canais DMA separados de 16 bits de e para a memória do sistema.
  Na instrução de chip SRAM e registre a memória.
  Processamento interno de 20 bits.
  Filtragem especial capaz de criar efeitos como som 3D.

  BUS separado para atualizações de atualização de vídeo (VRAM é dual portado)
  Velocidade de BUS super rápida (50 megabytes por segundo)
  Co-Processador Matemático projetado pela NTG para acelerar as operações de matriz de ponto fixo.  (Nota: Este não é * o ARM FPA)
  Unidade de CD-ROM com os seguintes recursos: ◦  320ms de tempo de acesso
  Transferência de Dados Duplaspeed 300kbps
  Buffer de 32kbyte

  2 megabytes de DRAM
  1 megabyte de VRAM (também capaz de manter / executar código e dados)
  1 megabyte de ROM
  36 canais DMA separados para processamento rápido de dados e uso eficiente de barramento
  2 portas de expansão: ◦  1 porta de E / S AV de 68 pinos x 1 de alta velocidade (para cartucho FMV)
  1 porta de expansão de E / S de 30 pinos x 1 de alta velocidade

  1 porta de controle, capaz de encadear em série até 8 periféricos
  Sistema operacional de 32 bits multitarefa
  Som estéreo de 16 bits
  Taxa de amostragem de som de 44,1kHz
  Suporta totalmente o som surround Dolby (tm)
  Bateria SRAM de 32kb suportada
  Atualizável



Fontes:






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lembranças de antigo PC-Gamer – A placa Voodoo ( Mariano Soltys)

Quando se pensa em jogos eletrônicos, se lembra geralmente de videogames, em especial de Atari 2600, a que muitos jogaram e conheceram nos anos 80. Mas no fim desses, e no começo de anos 90, eis que surgem computadores, e com eles, de forma impressionante e animadora: jogos! Sim, jogos! Fiz cursos de informática e naqueles anos já observava alguns games em 2D, como Prince of Persia, Lótus, Test Drive, bem como um antigo e simples, o mais antigo, um de um gato que some pelas janelas. As coisas foram evoluindo e surgem ainda jogos interessantes, como um incrível de Idianápolis 500 e um Nascar, quase com gráficos poligonais. Logo depois, um amigo jogava Mortal Kombat 2 em seu PC, de modo que se necessitava muitos disquetes para instalar o jogo, ou jogar, e assim presenciei ainda essa mídia pouco lembrada, e desconhecida de novas gerações: o disquete. Outro jogo de computador que lembro ter visto em amigo que possuía computador, era Syndicate, com sua trilha sonora realista. O que não pod…

13 jogos: Dreamcast e Psone - 18/10/2018 (Thiago Morais)

Unboxing jogos Dreamcast - 17/10/2018 - #01